Americanos voltaram a comer mais carne

      Nenhum comentário em Americanos voltaram a comer mais carne

Graças a preços mais baixos, a mais renda disponível e à aprovação da comunidade de bem-estar, a carne, que já foi muito malvista, agora é vista por muitos compradores e clientes como um ingrediente em uma dieta bem equilibrada e até da moda.

Os americanos comeram uma média de 25,22 quilos de carne bovina em 2016, acima dos 24,5 quilos em 2015, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Isso ocorre após uma década em que o consumo de carne bovina nos EUA caiu 15%.

Durante grande parte da década, o consumo afundou à medida que os custos aumentaram. Os preços da carne subiram 50% entre 2006 e 2016. As carnes concorrentes, como frango e carne suína, também tiveram aumento de preço, mas não tanto.

Agora, a idade de ouro da carne chegou.

“Estamos em um lugar muito melhor agora do que há 10 anos quando tivemos a recessão”, disse Altin Kalo, economista da Steiner Consulting em Manchester, N.H.

O grande motivo é que os custos dos produtores caíram dramaticamente para commodities como o petróleo, necessário para transportar gado e milho para alimentação animal.

Espera-se que a popularidade da carne continue aumentando, com as vendas dos EUA na marca de US$ 100 bilhões em quatro anos, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado, Packaged Facts.

O hambúrguer está voltando, graças ao surgimento da versão artesanal, que chegou ao setor de fast food, como a nova linha Signature Crafted Recipes do McDonald’s. Antes relegado aos quintais nos fins de semana, o churrasco tornou-se um movimento próprio, completo com food trucks dedicados a ele, festivais em toda a cidade e o respeitável “pitmaster”. A defumação da carne transformou-se em uma forma de arte competitiva e o jerky está na moda.

Como a carne ficou mais barata, os restaurantes de fast food como McDonald’s, Burger King e Wendy’s tiveram maior margem de manobra no desconto.

“Isso direcionou tráfego a esses caras”, disse Will Slabaugh, analista da Stephens, uma empresa de serviços financeiros com sede em Little Rock, Ark. “A carne barata, em geral, permite que você dê desconto em outras coisas, porque seus custos são mais baixos. É por isso que você está vendo bebidas e cafés de um dólar no McDonald’s e nuggets de US$1,49 (frango) no Burger King.”

O trio de cadeias de restaurantes está vendo crescimento de vendas de 3% a 5% nas mesmas lojas em relação ao ano, enquanto a taxa da indústria de restaurantes no geral é levemente negativa, acrescentou.

A carne pode ser o que tem para o jantar; é também o que leva os lucros para supermercados e empresas de carnes.

Nos departamentos de carne dos supermercados, os compradores estão encontrando preços mais baixos e mais variedade.

“A demanda aumentou (e) isso vai beneficiar os varejistas”, disse David Livingston, consultor de supermercados da DJL Research, com sede em Wisconsin, e acrescentou que as lojas com cortadores de carne ganham ainda mais. “Estes são os tipos (de serviços) que diferenciam supermercados de lojas big-box esterilizadas”.

As margens brutas em produtos perecíveis – carnes frescas, produtos lácteos e legumes podem chegar até 40% do preço de compra, muito maior do que para produtos embalados, geralmente até 20%, explicou.

“Nossos dados mostram que o consumo de carne está crescendo um pouco”, disse a porta-voz da Kroger, Kristal Howard, sem compartilhar informações de vendas específicas.

Ahold USA, cujas marcas incluem Stop & Shop, Giant, Giant/Martin’s e Peapod, também não discutiram números de crescimento. John Ruane, o vice-presidente sênior de vedas da empresa, disse apenas que, em geral, seus departamentos de carne estão vendo “tendências de compras que se alinham com o aumento do consumo nacional de carne de +2,6%.”

Na Tyson Foods, a carne bovina representou 38% das vendas no ano fiscal de 2016, em comparação com a de frango, com 30% e a carne suína, com 11%.

“É um ótimo momento para estar no negócio de proteínas”, disse Gary Mickelson, porta voz da Tyson. “A crescente demanda por proteínas levou a um aumento constante no consumo de carne nos EUA nos últimos cinco anos”.

O aumento de dietas ricas em carne, como paleo e keto, também ajudou no retorno dos americanos aos produtos derivados de bovinos. Estão distantes os dias de descartar a carne por ser indutora de ataque cardíaco ou um alimento pouco sofisticado. Agora, há um segmento premium que está agradando aos clientes, graças ao aumento da demanda por carne bovina orgânica e produzida a pasto.

“Por um tempo foi ‘Ei, talvez você deva comer cereais e ficar longe do hambúrguer’. Depois de um tempo, as percepções começam a mudar”, disse Kalo. “Agora, a questão é mais sobre o açúcar”.

Fonte: Beef Point

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *