Boi gordo que resta no pasto toma o estradão da alta

Embarques de carne bovina e baixa oferta de animais bem terminados continuam sustentando o valor da arroba.

Nesta terça-feira, 28 de julho, os preços do boi gordo seguiram firmes nas principais praças pecuárias do Brasil, mantendo o viés de alta.

Os fatores altistas para o mercado pecuário continuam os mesmos dos últimos meses: baixa quantidade de “animais de capim”, devido ao período de entressafra, e também pouquíssima disponibilidade de bovinos de confinamentos, devido ao desinteresse dos produtores pela atividade no momento da decisão sobre o primeiro giro de engorda intensiva.

“Os poucos pecuaristas que ainda dispõem de lotes maiores optam pela retenção desses animais, especulando valores mais elevados de olho nos elevados custos com reposição, que registra custos extremamente altos”, relata a IHS Markit.

Ao mesmo tempo, diz a consultoria, a lentidão das vendas de carne bovina no mercado interno mantém os compradores de gado cautelosos nas negociações, dificultando ainda mais o avanço dos negócios.

Na maior parte das praças pecuárias do Brasil, as indústrias frigoríficas fazem aquisições para preencher os compromissos de abate mais urgentes, ainda desta semana ou, em alguns casos, para início da semana que vem, informa a IHS Markit.

Em sentido oposto ao mercado doméstico, as exportações de carne bovina continuam em ritmo acelerado. As plantas frigoríficas que são habilitadas para exportação atuam mais ativamente nas compras e, diante da vantagem do preço da carne em dólar, conseguem trabalhar melhor os seus custos operacionais.

Segundo dados preliminares divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), durante os primeiros 18 dias úteis de julho, o volume embarcado de carne bovina in natura registrou média diária de 7,6 toneladas, aumento de 31% na comparação anual. A receita média obtida com as vendas foi de US$ 31 milhões por dia, 34% acima do mesmo período em 2019. No acumulado de julho, as exportações alcançaram 136,42 mil toneladas, o maior volume da história para o mês.

Giro pelas praças

Em São Paulo, o valor do boi segue estável, valendo R$ 223/@, a prazo (valor máximo), segundo apurou a IHS Markit. Nesta terça-feira, os preços do boi gordo subiram em algumas praças do País, como no Mato Grosso, onde os frigoríficos alegam dificuldade em adquirir grandes lotes de gado terminado, em função da retenção por parte dos produtores, que especulam maiores ajustes positivos nos preços.

“Os poucos negócios efetivados no Mato Grosso foram realizados a valores mais altos e concentrando-se em animais que atendem aos requisitos internacionais”, destaca a IHS Markit.

No Paraná, a arroba da fêmea se valorizou nesta terça-feira. Nos Estados de Tocantins e Rondônia, os preços do macho subiram hoje. No Pará, os frigoríficos tentam, sem sucesso, efetivações a valores abaixo das máximas vigentes, relata a consultoria.

Diante da retenção de animais por parte dos fazendeiros do Pará, que esperam valores mais altos para fazer a reposição dos plantéis, novas aquisições só conseguiram ser efetuadas mediante a elevação dos preços de compra.

Confira as cotações para esta terça-feira, dia 28 de julho:

SP-Noroeste:

boi a R$ 223/@ (prazo)

vaca a R$ 207/@ (prazo)

MS-Dourados:

boi a R$ 210/@ (à vista)

vaca a R$ 198/@ (à vista)

MS-C. Grande:

boi a R$ 212/@ (prazo)

vaca a R$ 200/@  (prazo)

MS-Três Lagoas:

boi a R$ 212/@ (prazo)

vaca a R$ 200/@ (prazo)

MT-Cáceres:

boi a R$ 196/@ (prazo)

vaca a R$ 184/@ (prazo)

MT-Tangará:

boi a R$ 197/@ (prazo)

vaca a R$ 184/@ (prazo)

MT-B. Garças:

boi a R$ 199/@ (prazo)

vaca a R$ 190/@ (prazo)

MT-Cuiabá:

boi a R$ 198/@ (à vista)

vaca a R$ 185/@ (à vista)

MT-Colíder:

boi a R$ 191/@ (à vista)

vaca a R$ 181/@ (à vista)

GO-Goiânia:

boi a R$ 210/@ (prazo)

vaca R$ 201/@  (prazo)

GO-Sul:

boi a R$ 211/@ (prazo)

vaca a R$ 201/@ (prazo)

PR-Maringá:

boi a R$ 215/@ (à vista)

vaca a R$ 202/@  (à vista)

MG-Triângulo:

boi a R$ 218/@ (prazo)

vaca a R$ 206/@ (prazo)

MG-B.H.:

boi a R$ 218/@ (prazo)

vaca a R$ 207/@ (prazo)

BA-F. Santana:

boi a R$ 222/@ (à vista)

vaca a R$ 215/@ (à vista)

RS-P.Alegre:

boi a R$ 220/@ (à vista)

vaca a R$ 213/@ (à vista)

RS-Fronteira:

boi a R$ 220/@ (à vista)

vaca a R$ 213/@ (à vista)

PA-Marabá:

boi a R$ 208/@ (prazo)

vaca a R$ 200/@ (prazo)

PA-Redenção:

boi a R$ 208/@ (prazo)

vaca a R$ 200/@ (prazo)

PA-Paragominas:

boi a R$ 208/@ (prazo)

vaca a R$ 198/@ (prazo)

TO-Araguaína:

boi a R$ 212/@ (prazo)

vaca a R$ 203/@ (prazo)

TO-Gurupi:

boi a R$ 211/@ (à vista)

vaca a R$ 202/@ (à vista)

RO-Cacoal:

boi a R$ 194/@ (à vista)

vaca a R$ 183/@ (à vista)

RJ-Campos:

boi a R$ 207/@ (prazo)

vaca a R$ 195/@ (prazo)

MA-Açailândia:

boi a R$ 207/@ (à vista)

vaca a R$ 193/@ (à vista)

Fonte: Portal DBO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *