Dona da Batavo pagará indenizações por Salmonella em leite para bebês

Quase 40 bebês adoeceram na Europa após consumirem leite ou formulados produzidos em fábrica francesa e exportados para 83 países

DivulgaçãoApós o escândalo, franceses formaram uma associação de vítimas da contaminação e anunciaram medidas judiciais em uma conferência de imprensa em Paris. | Divulgação

 Após o escândalo, franceses formaram uma associação de vítimas da contaminação e anunciaram medidas judiciais em uma conferência de imprensa em Paris.

A Lactalis, um dos maiores laticínios do mundo, prometeu “pagar indenizações a cada família que foi prejudicada” por uma contaminação por Salmonella em seus produtos de leite para bebês na França. Até agora, 37 bebês adoeceram no país após terem consumido leite ou fórmula provenientes da unidade da Lactalis alvo da investigação.

Apesar de receber bem o anúncio das indenizações, o governo francês informou que a investigação judicial para determinar os responsáveis pela contaminação continuará. As famílias de crianças que adoeceram, por outro lado, já anunciaram uma série de processos judiciais.As fórmulas infantis, produzidas na fábrica da empresa em Craon, são exportadas para 83 países. Em nota, a assessoria da empresa informou que os produtos contaminados pela Salmonela não foram comercializados no Brasil. Por aqui, a Lactalis comprou ativos que pertenciam à BRF, quando a companhia decidiu deixar de atuar em lácteos. Dona de marcas como a Batavo e a Elegê, em dezembro, a empresa anunciou a aquisição do laticínio mineiro Itambé, que foi suspensa pela Justiça.

“Em momento algum houve a intenção de esconder as coisas”, ressaltou Emmanuel Besnier, que dirige a Lactalis desde 2000. Em entrevista ao jornal semanal “Journal du Dimanche”, Besnier afirmou que a empresa “pagará indenizações a cada família que foi prejudicada”.

Mancha na reputação

A promessa de Besnier foi feita dois dias após a Lactalis ter ampliado um recall de produtos para cobrir todas as fórmulas infantis feitas em sua fábrica em Craon, independentemente da data de fabricação, em uma tentativa de conter o escândalo que pode prejudicar o estratégico agronegócio francês em mercados estrangeiros.

“É preciso medir a magnitude da operação: são mais de 12 milhões de caixas”, ressaltou Besnier.

O porta-voz do governo, Benjamin Griveaux, afirmou em entrevista à BFM TV que “pagar uma indenização é bom, mas o dinheiro não pode comprar tudo.”

O medo se intensificou na semana passada, quando os maiores varejistas da França, incluindo o Carrefour, Auchan e Leclerc admitiram que produtos que sofreram recall em dezembro tinham chegado às prateleiras mesmo assim.

“É trabalho da investigação determinar onde as falhas ocorreram e quem é culpado”, disse Griveaux, acrescentando que “as responsabilidades foram compartilhadas”.

Além dos 37 casos de contaminação na França, um bebê foi infectado por Salmonella na Espanha após consumir leite infantil da marca francesa, e na Grécia um caso está sendo investigado.

A contaminação por Salmonella na fábrica foi revelada no início de dezembro. Segundo Besnier, os resultados das análises localizam o problema “provavelmente” no primeiro semestre de 2017.

“Neste período, fizemos obras na fábrica. Neste momento, a bactéria pode ter sido introduzida nas instalações”, afirma o presidente-executivo da Lactalis.

Fonte: Gazeta do Povo

 

Deixe uma resposta