Elaboração de Manual de Instrução para Máquina ou Equipamento NR 12

O Manual de Instrução deve acompanhar a máquina ou equipamento. Caso não tenha, o Manual de Instrução deve ser elaborado por um engenheiro especializado em máquinas e equipamentos conforme as normas específicas do equipamento contidas na ABNT.

Os Manuais de Instruções de Máquina ou Equipamento devem ser escritos na língua corrente onde o equipamento será utilizado. O tamanho e tipo de letra devem possibilitar boa leitura. O Manual deve ainda ser acompanhando de ilustrações/fotos, que auxilie o entendimento do texto.

As orientações devem ser claras e sem duplo sentido, para que o operador tenha o entendimento real daquilo que esteja sendo passado. Sempre que necessário devem ser destacados sinais de alerta para chamar atenção dos operadores quando uma ação causar risco.

E O Manual de Instrução deve estar disponíveis para todos os usuários nos locais de trabalho.

Quando adquirimos um equipamento, sempre surgem dúvidas sobre manutenção ou compra de uma peça. Por isso é importante conter nos manuais os seguintes dados que identifiquem a empresa a qual forneceu o equipamento:

a) razão social, CNPJ e endereço do fabricante ou importador;

b) tipo, modelo e capacidade;

c) Número de série ou número de identificação e ano de fabricação;

Com essas três informações, pode ser feito o contato com a empresa para fazer a aquisição de uma peça específica ou tirar dúvida sobre uma manutenção que deve ser realizada.

O Manual de Instrução deve conter também:

d) Normas observadas para o projeto e construção da máquina ou equipamento;

e) Descrição detalhada da máquina ou equipamento e seus acessórios.

As normas do projeto informam quais normas da NR-12 esta máquina abrange e quais os módulos de segurança ele deve conter. Em cima das normas construtivas o manual deve conter a descrição do funcionamento da máquina, os pontos de acesso para limpeza, os acessórios que podem ser colocados e quais as partes móveis.

f) Diagramas, circuitos elétricos, em especial a representação esquemática das funções de segurança;

Os diagramas elétricos devem estar no manual para que o eletricista, de sua planta industrial, possa, com facilidade, fazer a instalação ou uma manutenção sem precisar recorrer ao teste de componentes para achar a falha. Se o diagrama estiver correto, rapidamente o eletricista conseguirá comparar o que está descrito no manual com o que foi instalado, o que facilita encontrar o erro.

g) Definição da utilização prevista para a máquina ou equipamento;

Assim como comentado nos itens “d” e “e” o equipamento deve conter em seu manual uma descrição de sua forma de operação. Por exemplo: não se pode comprar um moinho para grãos e os funcionários da empresa triturarem madeira com o equipamento.  De alguma forma o moinho vai danificar ou acabar ferindo um colaborador.

h) Riscos a que estão expostos os usuários, com as respectivas avaliações quantitativas de emissões geradas pela máquina ou equipamento em sua capacidade máxima de utilização;

i) Definição das medidas de segurança existentes e daquelas a serem adotadas pelos usuários;

j) Especificações e limitações técnicas para a sua utilização com segurança;

k) riscos que podem resultar de adulteração ou supressão de proteções e dispositivos de segurança.

l) Riscos que podem resultar de utilizações diferentes daquelas previstas no projeto;

O operador deve ir para o local de trabalho devidamente equipado, com óculos, protetor auricular, luvas e o que mais for necessário. O risco que o equipamento pode gerar ao operador não se aplica somente na utilização do equipamento, mas também, à exposição do colaborador ao ambiente. O ambiente pode conter alta ou baixa temperatura, ruído acima do permitido, emissão de radiação, entre outros. O técnico de segurança e os lideres de setor devem estar atentos ao trabalho dos colaboradores para que eles não adulterem os sensores dos equipamentos, o que pode facilitar ou agilizar um procedimento, o que causa acidentes. Ainda devem orientar e fiscalizar o uso dos EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

m) informações técnicas para subsidiar a elaboração dos procedimentos de trabalho e segurança durante todas as fases de utilização; (Alterada pela Portaria MTPS n.º 211, de 09 de dezembro de 2015).

n) Procedimentos e periodicidade para inspeções e manutenção;

Quando um equipamento chega ao local de produção é normal que ele receba um Manual de operação – Procedimento de Operação do Equipamento. Nesse manual devem constar orientações de como dar manutenção, como fazer limpeza. Essas informações são retiradas do manual do equipamento e colocadas no manual de Procedimento de Operação do Equipamento. O Procedimento de Operação do Equipamento deve estar em uma linguagem ainda mais fácil que a contida no Manual do Equipamento. Os termos técnicos usados no Procedimento de Operação do Equipamento devem ser de fácil entendimento para qualquer operador. Os procedimentos de inspeção e manutenção devem estar em destaque. Recomenda-se que seja colocada no equipamento uma etiqueta com as datas de manutenção que já foram efetuadas e as futuras datas das próximas manutenções para acompanhamento pelo operador.

o) Procedimentos a serem adotados em situações de emergência;

Todos os equipamentos, quando possuem trava ou componentes de segurança, trazem algum risco ao funcionário. Caso seja burlada ou sofrida alguma falha, a recomendação, mesmo que o setor esteja bem treinado para lidar com possíveis situações de emergência, é que em cada turno tenha um funcionário treinado pela brigada de incêndio para aplicar os procedimentos de socorro em caso de acidente. Por mais que os procedimentos estejam escritos no manual, ninguém irá parar para ler o que deve ser feito em caso de acidente.

p) Indicação da vida útil da máquina ou equipamento e/ou dos componentes relacionados com a segurança.

E por último o manual deve conter a vida útil de cada componente do equipamento, para que a empresa possa se programar e fazer um estoque de peças de segurança caso alguma peça não tenha o desempenho esperado.

Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Como já citado em outros textos sobre a NR-12, as microempresas e empresas de pequeno porte que não possuem manual de instrução devidamente construído pelo engenheiro mecânico e ou engenheiro de segurança, podem fazer uma ficha de informação que deve conter os seguintes itens:

a) Tipo, modelo e capacidade;

A ficha deve especificar qual a funcionalidade do equipamento, como operar, em qual modelo se enquadra, principalmente se em um mesmo equipamento for possível utilizar mais de um tipo de motor e capacidade. Por exemplo: se for um moinho que pode utilizar motor de 30 a 60 HP, cada motor vai precisar fornecer ao equipamento uma capacidade produtiva diferente.

b) Descrição da utilização prevista para a máquina ou equipamento;

Deve estar descrito a forma correta de utilização do equipamento, como fazer a alimentação, como retirar o produto e por onde o produto irá sair. Se for equipamentos acionados por um funcionário, precisa estar especificado qual o botão deve ser acionado para que o equipamento seja ligado corretamente.

c) indicação das medidas de segurança existentes;

d) instruções para utilização segura da máquina ou equipamento;

f) procedimentos a serem adotados em situações de emergência, quando aplicável.

Nas medidas de segurança o ideal é que os equipamentos possuam componentes de prevenção de acidentes como sensores, atuadores, entre outros. Caso ocorra um acidente, o equipamento deve ser desligado para que se possa prestar socorro ao colaborador. Muitos equipamentos, como prensas de plásticos, prendem a mão do operador e somente com ajuda de outra pessoa é possível fazer a liberação.

e) periodicidade e instruções quanto às inspeções e manutenção.

Como citado anteriormente, deve-se indicar os prazos para inspeção e manutenção em todas as peças que compõe o equipamento. Dessa forma a empresa e os colaboradores estarão trabalhando com um cronograma com a previsão de manutenção para a realização de manutenções preventivas, o que é mais econômico para empresa, pois ela não para indevidamente.

Como comentamos no texto anterior o Manual de Instrução pode ser elaborado pelas seguintes pessoas:

  • Empregador
  • Pessoa Responsável pelo equipamento.

Resumindo, para equipamentos reconstituídos ou importados os manuais devem conter as seguintes informações conforme conversamos na primeira parte do texto:

b) Tipo, modelo e capacidade;

e) Descrição detalhada da máquina ou equipamento e seus acessórios;

g) Definição da utilização prevista para a máquina ou equipamento;

i) Definição das medidas de segurança existentes e daquelas a serem adotadas pelos usuários;

j) Especificações e limitações técnicas para a sua utilização com segurança;

k) riscos que podem resultar de adulteração ou supressão de proteções e dispositivos de segurança.

m) Informações técnicas para subsidiar a elaboração dos procedimentos de trabalho e segurança durante todas as fases de utilização; (Alterada pela Portaria MTPS n.º 211, de 09 de dezembro de 2015).

n) Procedimentos e periodicidade para inspeções e manutenção; o) Procedimentos a serem adotados em situações de emergência;

Além de todo o detalhamento elétrico do equipamento, ligação de sensores, motores, principais e periféricos, o Manual de Instrução deve trazer informações relevantes sobre a instalação que facilite e previna qualquer tipo de acidente durante uma manutenção ou limpeza do equipamento/painel.

No caso de máquinas e equipamentos cujos fabricantes não estão mais em atividade, a alínea “j”: “Especificações e limitações técnicas para a sua utilização com segurança”; poderá ser substituída pelo procedimento previsto no item 12.130, contemplados os limites da máquina.

12.130: “Devem ser elaborados procedimentos de trabalho e segurança específicos, padronizados, com descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, a partir da análise de risco”.

12.130.1: “Os procedimentos de trabalho e segurança não podem ser as únicas medidas de proteção adotadas para se prevenir acidentes, sendo considerados complementos e não substitutos das medidas de proteção coletivas necessárias para a garantia da segurança e saúde dos trabalhadores”.

No geral um manual tem que ser simples e conter as informações necessárias para que o operador possa usar o equipamento com segurança. Caso haja um problema o operador deve ter conhecimento para conseguir solucioná-lo, seja uma falha mecânico-elétrica ou um acidente de trabalho.

Forte Abraço!

Eng. Rafael Resende Silva

Textos Anteriores:

NR – 12 – Prevenindo acidentes e aperfeiçoando equipamentos

NR-12 – Operadores e Capacitação.

 

 

 

Deixe uma resposta