Leite com qualidade e produtividade

      Nenhum comentário em Leite com qualidade e produtividade

Parceria entre a Prefeitura de Carlópolis e o Sebrae oferece consultorias tecnológicas a pequenos pecuaristas visando à melhoria da produção.

Divulgação - Os produtores têm recebido as visitas de uma veterinária e de dois zootecnistas do IBS: reprodução e nutrição do rebanho estão entre os trabalhos

Os produtores têm recebido as visitas de uma veterinária e de dois zootecnistas do IBS: reprodução e nutrição do rebanho estão entre os trabalhos

Um grupo de 16 produtores de leite de Carlópolis está recebendo consultorias tecnológicas com foco na melhoria da produção e qualidade do leite. As visitas técnicas são subsidiadas pelo Sebraetec, do Sebrae/PR, em parceria com a prefeitura do município e, portanto, não têm custo para os participantes. O trabalho é realizado por profissionais do IBS (Instituto BioSistêmico), instituição que oferece consultorias e serviços para o desenvolvimento rural e agricultura sustentável.

A consultora do Sebrae/PR, Camila Eduarda dos Santos, explica que os técnicos do IBS visitam as propriedades e orientam os produtores sobre processos de produção de leite por meio do manejo reprodutivo, monitoramento das condições sanitárias, além da adequação da dieta do rebanho. Os produtores também recebem nas propriedades unidades móveis de laboratório, equipadas com instrumentos de ultrassom para diagnóstico de gestação e analisador ultrassônico para verificação dos indicadores de qualidade do leite.

O trabalho entra no terceiro ano e em 2018 o diferencial, segundo Camila, é que os técnicos também estão atuando com a reprodução das vacas e a implementação de tecnologia de inseminação artificial por tempo fixo. “O foco está na qualidade e produtividade do leite”, afirma a consultora. Segundo ela, a parceria entre Sebrae/PR e a Prefeitura é fundamental para a realização do trabalho conduzido por profissionais especializados.

O zootecnista e coordenador do projeto de pecuária do IBS, Luís Henrichsen, destaca que os produtores de Carlópolis têm recebido as visitas de uma veterinária, para o trabalho de reprodução, e de dois zootecnistas, que atuam na melhoria da qualidade do leite e nutrição do rebanho. E os resultados já começaram a aparecer. “Existe uma instrução normativa do Ministério da Agricultura que estabelece parâmetros para a produção de leite com qualidade. Quando começamos o projeto, tínhamos apenas 50% das amostras de leite em conformidade com os padrões. Hoje, atingimos a marca de 85%”, revela.

Segundo Henrichsen, o número ainda precisa melhorar, mas já pode ser considerado uma boa referência do trabalho quando o assunto é qualidade e sanidade do leite. “O índice aponta que os produtores estão conseguindo manter as vacas sadias e diminuindo as taxas de mastite do rebanho”, aponta. E as melhorias também alcançaram a reprodução. “Conseguimos aumentar em 47% o índice de vacas prenhas”, afirma. A novidade em 2018, explica Henrichsen, é a introdução nas propriedades de tecnologia para IATF (inseminação artificial por tempo fixo) para inseminar as vacas de forma programada. “Cada produtor terá direito a oito inseminações”, adianta.

PÚBLICO-ALVO
As propriedades atendidas são pequenas e familiares, com áreas de aproximadamente 30 hectares, e rebanhos com 20 a 30 vacas. A média de produção é de 18 a 22 litros de leite por vaca diariamente. “No ano passado, conseguimos incrementar quase 17 mil litros de leite por mês com pequenos ajustes de manejo e nutrição, sem custo adicional para o produtor”, comemora. Além da ajuda na produção, os técnicos do IBS também orientam os produtores na gestão das propriedades.

A secretária municipal de Agricultura, Meio Ambiente e Pecuária, Francislane R. Luz Bohrz, diz que o município trabalha com quatro principais cadeias produtivas, o café, as frutas, a piscicultura e o leite. “A produção de leite tem grande importância na nossa economia. Os produtores estão organizados por meio da Aproleic (Associação dos Produtores de Leite de Carlópolis) e queremos incentivá-los”, afirma. Segundo ela, a parceria com o Sebrae/PR é fundamental para oferecer um atendimento organizado e feito por uma equipe multidisciplinar de especialistas. A principal melhoria, na avaliação de Bohrz, foi a diminuição dos custos e aumento da renda dos produtores.

O produtor e um dos diretores da Aproleic, José Antonio Chagas, diz que o leite é a principal fonte de renda da propriedade hoje. São 24 vacas leiteiras e mais de 20 anos de experiência com a produção do alimento. Para ele, o acompanhamento técnico tem sido muito positivo. “Depois que o Sebrae/PR começou o projeto mudou muita coisa, ficou muito bom”, elogiou.

Fonte:Folha de Londrina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *