O potencial do cânhamo como alimentação dos animais

      Nenhum comentário em O potencial do cânhamo como alimentação dos animais

Curadoria e edição Sechat, com informações de SouCannabis

Dentre as vantagens do uso da cannabis ou do cânhamo para os animais estão as propriedades nutricionais de suas sementes.

Dessas sementes são derivados o óleo e a farinha de cânhamo, que por sua vez são utilizados como ingredientes na produção de ração, complementos e suplementos alimentares.

Sementes de cânhamo (Foto: Adobe stock)

Para se ter uma ideia, as duas principais proteínas das sementes de cânhamo são a edestina e a albumina, ambas contendo quantidades significativas de todos os aminoácidos essenciais.

As farinhas são fontes ricas em proteínas, óleos poli-insaturados, vitaminas e minerais úteis. Já o óleo, derivado da semente de cânhamo ou de cannabis, pode ser usado como suplemento por ser rico em ácidos graxos essenciais, gordura e proteína.

Durante as duas últimas décadas, graças a mudanças na lei em diversos países que se abriram para as pesquisas com cannabis, o cânhamo foi reconsiderado e hoje é adotado como um super alimento. Seus produtos alimentares tornaram-se disponíveis como alimento tanto para animais domesticados quanto para humanos.  Em muitos países da Europa e dos EUA existem ampla e irrestrita oferta de petiscos, cápsulas, óleo disponíveis para a venda em lojas especializadas. No Brasil, não é possível encontrar esses exemplares nas prateleiras dos Petshops, pois o tanto o cultivo de cannabis como de cânhamo para fins industriais ainda não foi liberado.

PROPRIEDADES NUTRICIONAIS DA CANNABIS

A cannabis sativa tem sido uma importante fonte de alimento no velho mundo, pois as sementes de cânhamo e a farinha das mesmas são excelentes fontes de óleo, fibra e proteína dietéticos.

Após a proibição do cultivo de todas as variedades de Cannabis no final dos anos 1930, o uso potencial e o desenvolvimento da semente de cânhamo como alimento para humanos e animais domésticos foram interrompidos.

Durante as últimas duas décadas, graças a mudanças na lei, o cânhamo com um teor de THC inferior a 0,2% foi reconsiderado como uma cultura industrial valiosa para alimentos em alguns países e a semente de cânhamo e seus produtos alimentares tornaram-se disponíveis como alimento para humanos e animais domesticados

Embora o conteúdo nutritivo do cânhamo possa mudar em virtude de diferentes cultivares de cânhamo, tanto as farinhas de cânhamo quanto as de sementes de cânhamo, são fontes ricas em proteínas, óleos poliinsaturados, vitaminas e minerais úteis

A semente de cânhamo inteira geralmente contém cerca de 20–25% de proteínas, 25–35% de carboidratos (com 10–15% de fibra insolúvel), 25–35% de óleo (obtido da prensagem a frio de sementes ou por extração), vitaminas e minerais.

As duas principais proteínas das sementes de cânhamo são a edestina e a albumina, ambas contendo quantidades significativas de todos os aminoácidos essenciais. Além disso, as sementes de cânhamo contêm os aminoácidos arginina e ácido glutâmico em níveis excepcionalmente elevados, bem como boas quantidades dos aminoácidos contendo enxofre metionina e cistina

O óleo obtido da semente de cânhamo contém até 90% de ácidos graxos poliinsaturados (PUFA) e é caracterizado por uma grande quantidade dos dois ácidos graxos essenciais (EFAs) ácido linoléico (LA, 18: 2 ω-6; quantidade média 56%) e ácido α-linoléico (ALA, 18: 3 ω-3; quantidade média 16%), resultando em uma razão de 3,5: 1 de ω-6 a ω-3.

Essa proporção é considerada muito benéfica para a dieta de humanos. O óleo de semente de cânhamo também tende a conter grandes quantidades de metabólitos de LA e ALA, como ácido γ-linolênico (GLA, 18: 3 ω-6) e ácido estearidônico (SDA, 18: 4 ω-3), respectivamente. Embora esses metabólitos não sejam considerados EFAs, sua suplementação na dieta pode ser extremamente benéfica. A farinha de cânhamo tem um grande conteúdo de proteína (até 40%) e, obviamente, uma quantidade reduzida de lipídios (10-11%).

De acordo com o parecer científico do painel da Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) sobre aditivos e produtos ou substâncias usados na alimentação animal, a semente de cânhamo e os bolos de semente de cânhamo podem ser usados como matérias-primas para todas as espécies animais, embora com diferenças específicas da espécie em relação  a taxa de inclusão na dieta .

O óleo de cânhamo pode ser usado como suplemento em misturas de rações para animais como uma fonte rica em ácidos graxos essenciais, enquanto sementes e bolos de semente de cânhamo podem ser usados como fonte de gordura e proteína na dieta dos animais.

CBD para animais (Foto: Adobe Stock)

OBS: No Brasil ainda não encontramos produtos nas prateleiras das petshops derivados da planta Cannabis Ssp. E ainda não foi liberado o cultivo do cânhamo para o uso em grandes animais.

Em muitos países da Europa e dos EUA  existem petiscos, cápsulas, óleo, entre outras formulações disponíveis para a venda.

Texto: Médica Veterinária Integrativa com foco nos fitocanabinoides – Carla Simone Gregori

Fonte: Sechat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *