Os Incríveis 2 – E as lições para o cotidiano

 

Ir ao cinema nos dias atuais está cada vez mais raro. Quantos provedores de filmes podemos acessar em casa e com uma gama de títulos atrativos que nos deixam presos por um longo período.

Mas ir ao cinema com a família, comer pipoca, ouvir a gargalhada dos filhos é uma experiência que não podemos trocar por nada!

No final de semana passado fizemos isso, assistimos ao filme Os Incríveis 2.

Surpreendente, divertido, traz, para nós adultos, a oportunidade de fazer uma reflexão sobre tantos conflitos do nosso cotidiano, relacionamento, família, adolescência, trabalho em equipe.

Pensando no filme gostaria de matutar com vocês a respeito do trabalho em equipe e as empresas familiares.

Essa família de super-heróis tem uma atividade que é executada em conjunto. Acho que podemos relacioná-la a uma “empresa familiar”. Nessa empresa o sucesso depende do esforço e dedicação de todos, cada um com sua habilidade e dom, no caso dos Incríveis seus superpoderes.

Os personagens lutam com um vilão desconhecido, que gera um conflito na família, isso desmantela um pouco essa equipe, o que não pode acontecer.

Conflitos de ego não são bem-vindos, o sucesso sempre dependerá do trabalho conjunto.

Como isso é comum em qualquer negócio!

Cada um deve ser consciente do seu papel, de sua responsabilidade e cooperar para que os resultados sejam alcançados.

No filme é retratado uma inversão de papéis na família, isso acontece com frequência na vida real. A liderança vai depender da situação problema que se apresenta e da pessoa melhor preparada e com habilidade para lidar com essa situação. Essa pessoa trará para si a responsabilidade naquele momento e conduzirá o processo.

O que não pode acontecer é deixar que sentimentos de menos valia, de disputa tomem conta da situação.

Todos devem participar dos processos sabendo a hora que é preciso ter um envolvimento distanciado, isso não desqualifica ninguém.

O fato é que o filme traz outras mensagens subliminares, que renderia muitas discussões.

Vale a pena assistir.

Um bom filme!

 

Deixe uma resposta