Preço do litro de leite dispara em Curitiba

      Nenhum comentário em Preço do litro de leite dispara em Curitiba

O leite é um dos itens que deixou o custo da alimentação mais caro em Curitiba. O item leite e derivados apresentou uma alta de 8,62%, entre janeiro e julho deste ano, conforme os dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Ampliado (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografai e Estatística (IBGE).

Com isso, o preço do leite em Curitiba tem oscilado entre R$ 2 (o mais barato em oferta) a R$ 5, R$ 6 nos supermercados da cidade, de acordo com pesquisa de preços no aplicativo Menor Preço, do governo do Paraná. A má notícia, ao menos para o consumidor final é de que os preços não devem recuar a médio prazo, por conta da queda na oferta e aumento da demanda.

Ao contrário de anos anteriores, quando o clima era apontado como o principal responsável pelo aumento de preços, neste ano a culpa é também da pandemia, que fez com que as famílias passassem a ficar mais em casa, elevando a demanda por produtos básicos da alimentação, segundo análise de Guilherme Souza Dias, técnico do Departamento Técnico e Econômico da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep).

Na outra ponta, a da oferta, houve uma retração de 3% do produto no mercado neste ano. Dias ressalta que entre o segundo e o terceiro trimestre do ano, a retração na oferta do produto foi de 10%. A retração na oferta têm algumas explicações diversas, mas algumas também são reflexos da pandemia.

Dias no entanto, ressalta que o preço do leite pago ao produtor está em R$ 1,78, valor pago em agosto pelo leite captado em julho. No ano passado, o valor era de R$ 1,31. Ele explica que além desta demanda elevada, o produtor também experimentou uma elevação de custos, pressionado pelo estiagem e pelo aumento do preço de insumos como a ração.

As cotações do milho e da soja, insumos básicos para a produção de ração, tiveram um grande aumento no mercado internacional. “Por conta do preço da arroba, muito produtores estão aproveitando para descartar os animais que têm apresentado baixa produtividade, contribuindo para a redução da oferta”, diz Dias.

Fonte: Bem Paraná

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *