Programa Microbacias apoia produtores rurais de Potirendaba

Fábrica de rações agrega valor à produção de leite de integrantes de entidade do município do interior paulista

Os produtores rurais associados à Associação dos Produtores Rurais de Potirendaba (Asprup) poderão agregar valor à produção de leite, graças a fábrica de rações adquirida pela entidade com recursos do Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável – Microbacias II – Acesso ao Mercado, iniciativa do Governo do Estado de São Paulo. O estabelecimento foi inaugurado neste mês pelo secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim.

No valor de R$ 190 mil, a fábrica de rações está equipada com diversos tipos de tubulações, roscas, moinhos e acessórios com variadas capacidades; silos com capacidade mínima de 16, três e duas toneladas; uma balança eletromecânica com display digital com capacidade de 1.000 kg; um misturador horizontal com capacidade de mistura de no mínimo 1.000 kg em cinco minutos; entre outros itens.

Já o caminhão toco, também no valor de R$ 190 mil, possibilitará aos associados realizar o transporte e a distribuição da ração produzida. A estrutura contribuirá para estimular a atividade no município da região de São José do Rio Preto, que conta com 972 propriedades rurais e tem como atividades predominantes a pecuária de corte e leite, além do cultivo da cana-de-açúcar, laranja, limão e milho.

Superação

Para o secretário Arnaldo Jardim, o Projeto Microbacias II é um programa “emancipador” que cria condições para o produtor rural acessar novos mercados. “A iniciativa é um exemplo de superação, pois, quando organizados, os produtores podem aumentar a produtividade para gerar mais renda e agregar valor à produção. Apoiar o pequeno produtor é uma determinação do governador Geraldo Alckmin”, explica.

O presidente da Asprup, Leui Antonio Malozzi, ressaltou que as rações produzidas pela nova fábrica serão distribuídas entre os associados, reduzindo custo para o produtor e agregando valor para a produção. “A economia será grande, uma vez que cada associado poderá adquirir a ração com a qualidade que necessita via associação, gerando um aumento de renda”, destaca.

O coordenador da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), João Brunelli Júnior, afirmou que o projeto é a realização de um sonho. “A associação esteve perto de fechar, já que não tinha recursos para se manter. Graças aos associados que acreditaram no projeto e souberam se organizar, eles conseguiram transformar a história da entidade, que hoje vive uma nova realidade, de buscar novos mercados, de ampliar a capacidade administrativa e produtiva. Esta é a função do Projeto Microbacias: oferecer ferramentas para que o produtor possa se desenvolver sem depender do Estado”, enaltece.

Fonte: São Paulo

Deixe uma resposta