Projeto de custo de produção do tambaqui é estendido a todos estado

O projeto Sistema de Inteligência Territorial Estratégica para Aquicultura na Amazônia, da Embrapa, será inserido em outras regiões do estado, propiciando suporte aos piscicultores

PISCICULTURA: Projeto de custo de produção do tambaqui é estendido a todos estado

O projeto oferece suporte aos piscicultores atendidos pela Emater-RO FOTO: (Secom)

A oficina de nivelamento, realizada em parceria entre Seagri, Emater-RO e Embrapa, nos dias 21 e 22 de fevereiro, em Pimenta Bueno, traz uma nova dimensão à produção de tambaqui de Rondônia. O projeto Sistema de Inteligência Territorial Estratégica para Aquicultura na Amazônia, da Embrapa, será inserido em outras regiões do estado, propiciando suporte aos piscicultores atendidos pela Emater-RO. A proposta visa fortalecer o serviço de assistência técnica e extensão rural prestada no projeto de piscicultura na prática de levantamento de custos e receitas da produção de peixes, em particular da espécie tambaqui (Colossoma macrompomum) com uso de ferramentas de gestão da propriedade rural e assistência técnica específica de qualidade.

 

A parceria firmada entre a Emater-RO e a Embrapa para implantação do Sistema de Inteligência Territorial Estratégica para Aquicultura na Amazônia é financiado pelo Fundo Amazônia e contemplava inicialmente, somente os territórios Vale do Jamari e Central, considerados os maiores produtores de pescado de cativeiro do estado. No entanto, por entender ser essa uma ação que oferece um serviço relevante aos piscicultores de Rondônia, a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), por meio de sua Coordenadoria de Desenvolvimento Agropecuário que abriga a Gerência de Aquicultura e Pesca do Estado, estendeu o trabalho a todos os territórios do estado de Rondônia de modo que os piscicultores possam ter valores referenciais de custos e receitas da atividade.

 

Segundo Maria Mirtes de Lima Pinheiros, gerente de aquicultura e pesca da Seagri, o acordo firmado entre o secretário Evandro Padovani (Seagri) e o presidente da Emater-RO, Luciano Brandão, resultará em subsídio para a decisão de valores mínimos viáveis de comercialização e apontará o caminho para um melhor uso dos recursos disponíveis e um manejo mais eficiente da produção de peixe de cativeiro além de servir de suporte aos agentes financeiro para efetivar as operações de custeio e investimentos na atividade da piscicultura.

 

A oficina contou com a participação dos técnicos da Emater-RO dos territórios Cone Sul, Rio Machado, Zona da Mata e Vale do Guaporé, cujos municípios foram identificados por sua representatividade na produção de pescado de cativeiro e que terão a função de realizar o levantamento dos dados de produção; e dos técnicos da Embrapa, Francisco de Assis Correa da Silva e Leonardo Ventura de Araújo, responsáveis por repassar as ferramentas do levantamento e gestão da propriedade a serem utilizadas na atividade.

Deixe uma resposta