SEITON – Senso de organização

      Nenhum comentário em SEITON – Senso de organização

Depois que aplicamos o SEIRI, ou seja, separamos tudo que é dispensável para o ambiente de trabalho, chegamos ao momento de executarmos o SEITON, o senso de organização.

Nesse momento todos os setores estão com apenas aquilo que é necessário para que o trabalho seja executado com segurança, sem distração e com exatidão.

O 4S-SEITON também é direcionado para materiais e baseia-se no princípio da ordem. A implantação do SEITON, facilita a localização das ferramentas, materiais e demais itens essenciais para a execução de uma tarefa, já que propõe um excelente sistema de comunicação visual para o acesso a esses materiais. A vantagem do SEITON vai além da economia de tempo na localização do que se precisa, ele representa um melhor controle do estoque, diminui a duplicidade de compra de insumos e o número de acidentes. Outros pontos positivos são a facilidade em se detectar os “ladrões” de tempo e propiciar um layout de trabalho mais adequado.

Aqui estamos trabalhando a organização, e dentro de uma fábrica de ração não existem muitos equipamentos ou acessórios para serem deixados dentro da área produtiva. Passando por cada setor da fábrica de ração devemos listar e indicar o que organizar e o que ficará na área de trabalho.

Moega de Recepção e Pré-Moagem:

Nesse setor temos pouco a organizar, principalmente se estivermos trabalhando com o tombador de grãos. Para complicar um pouco mais vamos levar em consideração que nossa fábrica de ração possui uma moega de recepção estática, onde o caminhão para sobre a moega e abre as laterais para descarregar os grãos. Nesse caso, o nosso setor além de estar organizado e limpo deve ter um suporte com vassouras que os funcionários utilizam para empurrar os grãos de cima da caçamba do caminhão. Essas vassouras precisam estar penduradas em uma parede próxima a moega com uma etiqueta de identificação.

Ao redor do moinho devemos deixar a área totalmente limpa, sem equipamentos ou objetos que possam obstruir a passagem dos operadores ou da equipe de manutenção. Martelos e telas sobressalentes devem ficar no almoxarifado e só devem ser trazidos para área produtiva em uma eventual troca de emergência ou em uma parada de manutenção preventiva. Dentro do almoxarifado as telas devem estar separadas em uma estante onde conste o tamanho das telas do moinho e a identificação de qual moinho elas pertencem, caso haja mais de um modelo de moinho na empresa. Da mesma forma deve acontecer com os martelos, dentro do almoxarifado deve haver um espaço separado para colocar os martelos sobressalentes com a devida identificação.

Dosagem, Pesagem e Mistura:

 Neste setor devemos ter equipamentos para limpeza do setor, caso haja uma eventual queda de produto dos equipamentos. Da mesma forma que nos setores anteriores, essas vassouras e pás devem ter um local de fácil acesso para ficarem pendurados e com o nome etiquetado, para que seja usado somente nesse setor e com isso evite contaminação cruzada. Ainda nesse setor é normal encontrarmos nas áreas produtivas um espaço para poder armazenar matérias primas que estejam ensacadas ou em big bag. A melhor opção que temos é identificar cada matéria prima com placas coloridas para que o operador possa identificar rapidamente qual tipo de matéria prima ele está manipulando. Quando trabalhei em fábrica a maior parte das matérias primas vinham em big bag de 1 ton. Assim que essa matéria prima chegava ao PCP (Planejamento e Controle da Produção), imprimia várias etiquetas com o código da matéria prima que estava chegando e a cor da etiqueta era especifica para cada tipo de produto. Um exemplo é milho, quando precisávamos receber milho em big bag ele tinha uma etiqueta amarela para ser facilmente identificado pelo operador.

Remoagem ou Moagem Conjunta:

O mesmo que orientei no item da moagem, eu repito para a Remoagem, com um agravante, esse equipamento está dentro da fábrica e o primeiro moinho normalmente fica em uma área externa. Para essa área a desorganização e produtos jogados pela fábrica são extremamente proibidos, primeiro por questão de segurança dos operadores e segundo para não gerar nenhum tipo de contaminação com produto que é considerado descarte ou com qualquer outro corpo estranho.

Extrusão, Peletização, Secagem, Resfriamento, Aplicação de Líquidos:

Após a Remoagem o único setor que precisa um pouco mais de organização é o da Extrusora e da Peletização, os demais setores vão precisar somente dos equipamentos para higienização do setor produtivo.

Na extrusora e peletização são necessários mais equipamentos como chaves para fazer a troca da matriz, lâminas do sistema de corte.  As vezes e necessário fazer ajustes em alguma tubulação de água ou vapor, para isso, nesse setor, é recomendável que se tenha ou uma caixa de ferramentas móvel ou um quadro fixo com todas as ferramentas utilizadas. Essas ferramentas além de ter um local exato para serem guardadas devem ter logo abaixo ou acima onde ela é encaixada uma identificação para que rapidamente o operador possa reconhecer qual ferramenta está faltando.

As matrizes das peletizadoras normalmente ficam armazenadas no almoxarifado, pois, dificilmente é feita a troca de uma produção durante o dia ou com tanta frequência quanto na linha de extrusão. Outro detalhe para não se ter matrizes de peletizadora na área produtiva e que elas são relativamente grandes, com um diâmetro mínimo de 350 a 400mm podendo chegar até a 1000mm.

Já as matrizes de extrusora por serem menores, possibilita ter uma estante onde se coloca as matrizes com maior frequência de uso o que agiliza o processo de troca. Lembro que na própria extrusora existem dois suportes de matrizes onde se pode fazer a troca rápida da matriz sem ter que prendê-la no suporte da extrusora, basta apenas soltar os parafusos que as prendem no canhão e movimentar a próxima matriz para se fixar no canhão.

Ensaque:

No setor do ensaque é desejado que se tenha um ranque para armazenar as embalagens que serão utilizadas durante a produção.  O setor onde os paletes ficam devem ser nomeados por etiquetas ou placas devendo estar distante da área produtiva. Outro equipamento que se usa bastante no setor de ensaque é a vassoura e a pá para recolher resíduos de produtos que por ventura caiam no chão. E em alguns modelos de empacotadeira é necessário que se tenha um “Fiel” – objetos com pesos padronizados, utilizados para regular a pesagem da ensacadora. Quando necessário é recomendado que se tenha um pequeno armário para armazenagem das peças. Outro item comum de se encontrar nesse setor são corpos de prova para teste dos detectores de metais. Normalmente, as fábricas trabalham com 3-4 corpos de prova diferentes que podem ser carbono, inox, latão e bronze. De tempos em tempos um operador deve passar em todos os detectores de metais da empresa testando os equipamentos com esses corpos de prova.

Sala de Premix:

Esse é o setor mais crítico da fábrica de ração, nele toda a pesagem é manual e não está isenta de erro humano.  Os recipientes que irão armazenar os premix devem estar etiquetados porque a chance de se misturar um produto com outro é muito grande. Nesse setor é comum utilizar de 15-20 micronutrientes para poder compor um único produto.

Laboratório:

E por último o laboratório.  Aqui é necessário ter um armário grande para armazenar uma amostra de ração de cada produção efetuada.  Essa amostra é armazenada por um período de seis meses a um ano devendo conter no seu rótulo, número da Ordem de Produção OP, horário da coleta e quantidade que foi produzida no lote. Além disso, o laboratório deve realizar e armazenar todas as análises necessárias para garantir que o produto atenda a todas as normas de qualidade quando ele estiver no ponto de venda.

Apesar de estarmos falando separadamente os sensos SEIRI e SEITON, eles são realizados em conjunto. A partir do momento que se separa o que é útil do que não é, já se pode estabelecer quais os locais dos objetos que serão usados os no dia a dia.  Essa organização define o que é necessário ficar em cada ambiente, como será alojado caso necessite ficar no setor. Todos esses cuidados facilitam a localização ou a falta do material caso seja necessário seu uso.

Forte Abraço!

Eng. Rafael Resende

Os 8 S’s da Gestão da Qualidade

SHIKARI YARU E SHIDO – OS PRIMEIROS PASSOS PARA UM PROGRAMA DE QUALIDADE

Seiri – Organizando o que é útil

 

Deixe uma resposta