SHIKARI YARU E SHIDO – OS PRIMEIROS PASSOS PARA UM PROGRAMA DE QUALIDADE

Para que o projeto de qualidade total não morra antes mesmo de ser implantado, toda a diretoria e gerencia tem que estar envolvida, comprometida e participativa. A melhor forma de fazer o funcionário fazer aquilo que se pede é dando exemplo. Não é demérito algum um gerente ou diretor ajudar em uma eventual organização ou limpeza de setor.
Era comum pensar que as ferramentas de qualidade deveriam partir do gerente de qualidade. A cultura era de que essas ferramentas eram implementadas para poder facilitar o trabalho desse gerente de qualidade. Não era incomum ouvir funcionários resmungando pelos cantos, que não queriam fazer higienização ou organizar o local de trabalho. Um dos motivos era que não havia conscientização por parte dos funcionários e sempre um turno de trabalho não deixava o setor organizado, com isso o turno seguinte não se sentia na obrigação de fazer a organização, o que virava uma bola de neve.

A expansão dos S’s do antigo sistema 5S permitiu que todos esses problemas se resolvessem.

Shikari Yaro – Senso de determinação e União: determina a participação da alta administração com a união de todos os funcionários. O exemplo vem de cima.

Mas como implantar o Shikari Yaro?

O primeiro passo é fazer a conscientização da alta diretoria. Quando a ideia de melhoria e implantação da gestão de qualidade parte da diretoria, pode ser por motivos comerciais.  A diretoria passa a tarefa para o gerente de qualidade desenvolver. A gerencia deve ser responsável por indicar equipes que serão responsáveis por essa atividade. Essas equipes de qualidade devem ser compostas por um diretor, um gerente, um supervisor e funcionários. O segredo do senso Shikari Yaro é mesclar as equipes de qualidade e fazer com todos façam trabalhos simples como limpeza, organização, atividades nas quais cada um precise da colaboração do outro. Essa sintonia fará com que os envolvidos se sintam acolhidos e entendam que a qualidade é uma necessidade de todos e que cada um no seu setor de trabalho é responsável pelo o bom andamento do projeto.

Uma vez que um funcionário de chão de fábrica recebe um diretor ou gerente no seu setor de trabalho para ajudá-lo na organização do setor, a visão do funcionário muda em relação à eficiência do sistema. Essa atividade deve ser feita pelo menos duas vezes por mês, quando todos devem se reunir e realizá-la juntos.

Nesses encontros o mediador deve aplicar técnicas de quebra gelo e fazer com que a diretoria e funcionários estejam juntos e à vontade. É interessante usar jogos motivacionais e cooperativos os quais despertem o interesse de todos, essas técnicas e jogos contribuem para uma resolução de conflitos e faz com que haja uma união e responsabilidade no trabalho em equipe.

Quando todos estiverem alinhados e trabalhando juntos a gestão da qualidade poderá introduzir os próximos passos para implantação do próximo senso e iniciar os treinamentos do sistema de qualidade.

Shido – Senso de treinamento: preconiza o treinamento do profissional e a educação do ser humano. Estas ações qualificam o profissional e engrandecem o ser humano que passa a ter melhor empregabilidade, essencial nos tempos modernos, quando o desemprego está aumentando e os novos postos de trabalho exigem profissionais qualificados e com posturas adequadas.

“Se você acha que custa caro um profissional, é porque não faz ideia de quanto custa um incompetente!”

As empresas vêm cada vez mais buscando esse senso devido a competitividade do mercado.  O investimento na mão de obra humana, os recursos humanos, que é o bem mais precioso que uma empresa possui, garante a produtividade, qualidade, baixo custo de produção.

Mas como implantar o Shido?

Adicionar um tópico de treinamento à metodologia original dos 5s, no mercado de trabalho brasileiro, evidencia uma contínua necessidade de aperfeiçoamento individual e coletivo para o bem comum da empresa.

O Brasil é campeão mundial em acidentes de trabalho, aplicar o Shido na rotina profissional explora tanto a qualificação do profissional quanto a educação do indivíduo, deixando o ambiente ainda mais seguro para todos.

Senso de Treinamento, ou Shido, busca qualificar o profissional, englobando o planejamento de todo o programa.

Muito do que se vê na literatura preconiza utilizar o Shido treinando a equipe da Gestão de qualidade, funcionários, diretores, gestores.

Mas esse senso é muito mais profundo. Ele é definido como o senso de capacitação profissional e a educação do ser humano.

Na minha visão é importante, quando possível para a empresa, que ela invista em programas de capacitação para operação dos equipamentos, alfabetização caso os funcionários não tenham completado o terceiro colegial, língua estrangeira entre outros treinamentos. É isso que determina o Shido, que a empresa cuide do desenvolvimento de seus funcionários. A partir do momento em que há o investimento no desenvolvimento dos funcionários haverá a diminuição da rotatividade dentro da empresa e os funcionários trabalharão com mais empenho. A empresa diante desse investimento poderá implantar a gestão do conhecimento garantindo que o aprendizado seja compartilhado e novas técnicas sejam implementadas. Essa gestão do conhecimento poderá fazer parte de um programa de promoção e progressão da carreira o que veladamente será uma forma de cobrar retorno desse investimento.

É necessário paciência e perseverança para o desenvolvimento constante do programa 5S e principalmente esses dois sensos. Um dos aspectos mais importantes a ser considerado é que os custos de implantação do programa devam ser encarados e contabilizados como investimento, se bem implantados e acompanhados possuem alta taxa de retorno.

Postagens Anteriores:

Boas Práticas de Fabricação – Fábrica de Ração

Os 8 S’s da Gestão da Qualidade

Rafael Resende Silva
Engenheiro de Alimentos
Skype: eng.rafaelrs

 

Deixe uma resposta