Suinocultura independente teve semana com bom preços

São Paulo, após três semanas com preço estável em R$ 4,80/kg do animal vivo, negociação com frigorífico resultou em aumento

A semana da virada do mês de junho para julho apresentou movimentações diferentes nas principais praças produtoras de suíno para o mercado independente. Houve desde preços estáveis a altas mais modestas, com exceção de São Paulo, que viu o preço subir 5,6% nesta quinta-feira (2).

De acordo com informações da Associação Paulista de Criadores de Suínos (APCS) que negocia os animais com os frigoríficos às quintas-feiras, após três semanas com o preço do quilo do animal estável em R$ 4,80, o valor atingido neste dia 2 de junho foi de R$ 5,07/kg.

No Rio Grande do Sul, o preço passou de R$ 4,30/kg para R$ 4,44/kg. Segundo o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul (ACSURS), Valdecir Folador, o bom resultado nas exportações de carne suína é o principal fator que tem sustendado os preços no mercado interno. “A expectativa é que haja melhora no consumo para a próxima semana, com o pagamento dos salários”, disse.

A Bolsa de Suínos de Santa Catarina, que também negocia os animais às quintas-feiras, registrou aumento de apenas um centavo nesta semana, chegando a R$ 4,66/kg, de acordo com informações da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS). Losivanio de ca, presidente da ACCS, afirma que esperava um resultado mais positivo.

“Há grande especulação por parte dos frigoríficos, não valorizando a melhora do comércio interno, mas esperamos que com a volta da economia à normalidade, aos poucos, estes preços melhorem”, explicou.

Houve estabilidade no preço do suíno vivo no mercado independente em Minas Gerais, que na semana passada era de R$ 5,50/kg, sugerido pela Associação dos Suinocultores do Estado de Minas Gerais (Asemg), e acordado novamente nesta quinta-feira (2) entre produtores e suinocultores.

Para o consultor de mercado da Associação, Alvimar Jalles, “o cenário de mais procura na primeira semana do mês já se faz sentir no mercado do estado, o que favoreceu o acordo”.

Da mesma forma, no Mato Groso, o preço não teve alteração, e permaneceu em R$ 3,90/kg, conforme explica o presidente da Associação de Criadores de Suínos do Mato Grosso (Acrismat), Itamar Canossa.

“O lado bom é que o preço não está caindo, e com preço em alta em Minas Gerais e São Paulo, daqui a alguns dias isso vai se refletir aqui no Estado, trazendo aumento”, disse.

Fonte: Noticias Agricolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *