UE atribui fundos para projeto de carne cultivada

      Nenhum comentário em UE atribui fundos para projeto de carne cultivada

A UE alocou mais de 2,7 milhões de euros para o programa de pesquisa do consórcio ‘Meat4All’, liderado pela espanhola rm BioTech Foods e seu conceito Ethicameat B2B.

O subsídio – que se acredita ser a primeira vez que um projeto de carne cultivada em laboratório recebe fundos de Bruxelas – faz parte do Programa-Quadro de Pesquisa e Inovação da UE Horizonte 2020, que é uma parte fundamental do Acordo Verde da UE que planeja a região ser neutro para o clima em 2050.

O projeto Meat4All, do qual também participa a empresa francesa Organotechnie, visa incrementar a tecnologia de produção de carnes de cultura, trabalhar na aceitação do mercado e realizar testes para avaliar a segurança para viabilizar sua industrialização e comercialização até julho de 2022.

A BioTech, sediada em San Sebastian, tem trabalhado no desenvolvimento de sua carne cultivada, que fornece a clientes do setor alimentício, conhecida como ‘Ethicameat’ desde 2017. Ela disse que o investimento da UE confirma a importância atribuída pela Europa à carne cultivada e novos alimentos.

O foco da Horizon Europe está na implementação do Acordo Verde Europeu. A UE calcula que mais de 35% das despesas da Horizo Europe contribuirão para os objetivos climáticos, uma vez que a investigação e a inovação são essenciais para transformar a Europa no primeiro continente do mundo neutro em termos de clima até 2050.

“É extremamente gratificante para toda a equipe da BioTech Foods e para nossos parceiros na Organotechnie, obter este apoio da União Europeia para o nosso projeto ‘Meat4All’ ”, afirmou Iñigo Charola, CEO da BioTech Foods. “Esta é a primeira vez que a Europa se compromete efetivamente com a carne cultivada. A carne cultivada será um ingrediente fundamental da nossa alimentação futura e agora temos isso também confirmado pelas instituições ”, acrescentou.

Mas será que a carne cultivada é realmente a solução mais saudável para o planeta? Outros estudos sugeriram que a carne cultivada em laboratório poderia realmente ser pior para a mudança climática devido ao CO2 liberado pelos laboratórios. O CO2 permanece na atmosfera por mais de um século; metano apenas uma dúzia.

Charola disse que o consórcio planejava realizar uma avaliação completa do ciclo de vida dos requisitos de energia necessários para aumentar a produção de carne cultivada.

Ele acrescentou: “É uma realidade que a indústria de processamento de carnes está interessada em diferentes fontes alternativas de proteína. Todos os relatórios mostram que há uma atitude favorável do consumidor em relação a alternativas sustentáveis ​​de proteína e, particularmente, em relação à carne cultivada. O que é importante agora é entregar produtos que as pessoas queiram comer.”

Charola disse que o consórcio planeja trabalhar com células de aves, suínos e bovinos e vai explorar quais produtos alimentícios são mais adequados para a carne cultivada.

Fonte: Beef Point

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *