Vendas no setor alimentício alertam para importância da higienização

As pesquisas no setor alimentício ajudam a mensurar como a economia tem se desenvolvido nos últimos anos. O aumento das vendas, abre espaço para uma discussão necessária, já que os registros de Doenças Transmitidas por Alimentos alertam para um dos quesitos que as indústrias devem sempre dispensar atenção, que é a higienização correta dos meios de produção, atendendo às especificações da Anvisa, além do respeito ao consumidor.

Foto: DINO

Dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães & Bolos industrializados (ABIMAPI), em parceria com a consultoria Nielsen, referentes ao desempenho do setor em 2017, apontou que as indústrias apresentaram estabilidade no faturamento com relação a 2016. Juntos, os alimentos movimentaram um total de R$ 39,252 bilhões, apenas 0,6% abaixo do ano anterior. Em contrapartida, houve um crescimento de 34% em vendas e 4,5% em volume, quando comparados os resultados dos últimos cinco anos.

O aumento das vendas deve ser visto como algo positivo para a economia, já que o consumo estimula a fabricação, refletindo, consequentemente, na abertura de vagas de emprego. Justamente para garantir que esse ciclo só aumente, os cuidados com a limpeza devem ser ainda maiores, em especial na higienização da esteira, do autoclave e do tanque misturador, por exemplo.

A Weinberger , empresa brasileira do ramo de escovas, que atende os mais diferentes nichos de mercado, entre eles o setor alimentício, reforça a importância da higienização nas indústrias. “O aumento da produção deve servir de alerta para a limpeza adequada dos meios de produção, garantindo a entrega de produtos com qualidade e dentro das normas estabelecidas pela Anvisa”. Os métodos utilizados para a limpeza também devem ser levados em consideração, e o equipamento deve estar com a manutenção em dia, bem como os itens que o compõem, como as escovas , de modo a garantir a eficácia do serviço.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vinculada ao Ministério da Saúde, é quem regula as Boas Práticas de Fabricação (BPF) de Alimentos, bem como os Padrões de Higiene Operacional (PPHO), que definem as condições higiênico-sanitárias em que os alimentos devem permanecer. A prevenção da contaminação por lixo e sujeira, assim como o controle de pragas ou doenças também estão previstos nas normas publicadas pela Agência.

Os consumidores também devem prestar atenção nas condições de higienização das indústrias, buscando adquirir itens de empresas que estejam de acordo com as exigências dos órgãos fiscalizadores. Quando na fábrica o processo de limpeza não é realizado de forma apropriada, os alimentos ficam sujeitos a micróbios, parasitas e substâncias tóxicas. Ingerir alimentos nestas condições provocam as
Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA), que causa sintomas como vômitos, diarreias e dores abdominais e de cabeça, febre, alteração da visão, olhos inchados, entre outros. Em especial quando diagnosticada em crianças, idosos e grávidas, as consequências podem ser graves.

A responsabilidade com o alimento deve ser primordial. Realizar a manutenção periódica dos equipamentos para higienização e atender às normas, garante que cada vez mais sejam comercializados produtos de qualidade, atendendo às demandas do mercado.

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *