Casinhas de pets com materiais recicláveis viram atração na Diretoria de Bem-Estar Animal de Maringá. Fila de 1.800 castrações é desafio

Concurso de casinhas de pets com materiais recicláveis vira atração na Diretoria de Bem-estar Animal / Vivian Silva/Prefeitura de Maringá

Um concurso de casinha de pets atraiu as atenções na semana para a Diretoria de Bem-Estar Animal. Construídas por estudantes, os lares feitos com materiais recicláveis estão em exposição na sede da diretoria próximo ao Portão 2 do Parque do Ingá. Depois, as casinhas de pets serão doadas a Ong que trabalham na causa animal.

A Secretaria de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal (Sema) tem outro desafio. Ampliar as castrações para reduzir a fila de espera e para diminuir o número de animais abandonados nas ruas.

Uma força-tarefa anunciada esta semana, visa a eliminar a fila de 1.800 pedidos de castrações de cães e gatos. Há oito clínicas cadastradas para realizar os procedimentos e a capacidade de atendimento vai de 200 a 400 animais por mês.

“A partir do momento que equilibrar os atendimentos atrasados, mesmo com as constantes novas solicitações, há a intenção de não ter longa espera no próximo ano”, afirma o secretário de Meio Ambiente e Bem-Estar Animal, Ederlei Alkamim.

As clínicas cadastradas recebem R$ 130 por cada procedimento, direcionado pela Sema. A licitação para compra de medicamentos ainda não está concluída e, essa parte, ainda é responsabilidade do protetor. No final de 2017, a prefeitura liberou R$ 390 mil reais para a realização de 3 mil cirurgias de castração.

O atendimento é feito independe da raça, tamanho ou sexo. Os interessados devem entrar em contato pelo telefone 156 para fazer o pedido. Uma triagem é realizada para ordenar os atendimentos. A prioridade é atender aos animais em situação de rua.

Concurso incentiva produção de casinhas de pets

Uma parceria entre a Faculdade de Engenharia e Inovação Técnico Profissional (Feitep) com a Sema, de iniciativa do vereador Flavio Mantovani (PPS), propôs a construção de casinhas de pets feitas com materiais reciclados, baixo custo e fácil montagem.

Foram produzidos 12 modelos diferentes, por alunos dos cursos de Engenharia e Arquitetura da instituição. As casinhas ficarão expostas na sede da diretoria de Bem-Estar Animal até o final de janeiro. Fica na Avenida Laguna, 668, ao lado do Portão 2 do Parque do Ingá.

Mantovani diz que a ideia é conseguir uma parceria público-privada para produção em larga escala do modelo vencedor, com pelo 100 unidades, e que a partir daí possam ser doadas a pessoas de renda mais baixa.

“É um incentivo para adoção também, porque se ao adotar o animal já ter um abrigo é uma situação que auxilia nos custos”, complementa.

A Sema informa que, a partir desse primeiro concurso, sejam realizados outros semelhantes para integrar a comunidade acadêmica com a política municipal de bem-estar animal.

Feiras são uma opção para quem quer adotar

Em 19 de dezembro foi realizada uma reunião na sede da Sema para discutir ideias sobre o trabalho de resgate de animais que estejam sofrendo maus-tratos e também de apoio às ONGs e aos protetores independentes.

Segundo o secretário, existem propostas para aproximar os protetores das pessoas que querem adotar e incentivar a castração dos animais nessas condições. “Muitas vezes os protetores ficam distantes das pessoas que podem e querer ter um animal. O trabalho da secretaria é fazer essa conexão”, afirma.

Em 2017, foram realizadas duas edições da Feira de Adoção de Animais, no Shopping Avenida Center, promovidas pelo poder público. Elas serão realizadas mensalmente em 2018. A partir de agora será na sede da Diretoria de Bem-Estar Animal. A primeira do ano será no próximo dia 11 de fevereiro.

Outras ONGs realizam feiras em outros pontos da cidade e existe um trabalho para mapear o que está sendo feito por essas organizações. Além da adoção, as feiras recolhem doações que são destinadas para ração e cuidados médicos.

No ano passado, a diretoria registrou aproximadamente 2 mil reclamações envolvendo animais. Cerca de 700 foram denúncias de maus-tratos. A multa para o responsável é de R$ 2 mil e pode ser aplicado em dobro no caso de reincidência.

Mais informações e denúncias podem ser feitas na Ouvidoria Municipal, 156, ou na Diretoria de Bem-Estar Animal, no 3901-1885.

Fonte: Maringa Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *