Compressão x Pressão na Fabrica de Ração

      Nenhum comentário em Compressão x Pressão na Fabrica de Ração

Eng. Rafael Resende Silva

Nesse primeiro episódio da série Tele transporte, vamos ver a diferença entre compressão e pressão.

Alguns sites e empresas tem divulgado que a compressão exercida pelo rolo da matriz é capaz de melhorar o cozimento da ração peletizada o que não é verdade, e essa noticia tem feito muitas pessoas comprar peletizadoras para produzir ração para peixes o que é um erro e já falamos sobre isso no vídeo abaixo:

O que realmente acontece é que a compressão exercida pelo rolo na matriz da peletizadora, serve para ajudar o produto a passar pela furação e compactar a ração farelada, e dessa forma reduzindo o seu volume de armazenamento e melhorando o custo no transporte, esses são os verdadeiros benefícios de uma peletizadora quando não se usa vapor.

Por outro lado quando é necessário melhorar a digestibilidade da ração como é caso da ração de frango, as empresas adquirem peletizadoras com dois pré-condicionadores e dessa forma aumentam o tempo de exposição da ração farelada em contato com o vapor.

O Calor gerado pelo atrito dentro da matriz ele é suficiente somente para esquentar a ração farelada, de forma que ela escoe melhor por dentro da furação da matriz e esse mesmo calor é responsável por dar a aparência lisa do pelete quando bem prensado.

 

 

 

 

 

Outra ração peletizada que necessita de muito calor também para melhorar a digestibilidade é a ração de camarão que utilizar o vapor no pré condicionador e no Post-Cooking, mas essa parte vou fazer um vídeo específico para explicar com mais detalhes.

Um método de melhorar a digestibilidade a níveis significantes na peletização é implantando um expansor de ração antes da peletização, dessa forma é possível cozinha o produto antes de peletizar contudo o custo operacional sobe para se fazer esse processo. Abaixo segue  um texto que escrevi a um tempo atrás falando sobre o expansor.

O Expansor e suas funções na produção de ração!

Por outro lado, na extrusão temos o efeito da alta PRESSÃO dentro do canhão da extrusora, essa pressão ela pode ser maior ou menor de acordo com dois fatores:

1 ) Configuração da Rosca: A rosca da extrusora é fundamental para se ter um cozimento do produto, para a parte de ração animal é mais comum uma rosca com passes (distancia entre as cristas do helicoide) com diferentes comprimentos, e fazer o uso de anéis para retenção de produto.

2) Matriz: Quanto menor o furo da matriz e menor a quantidade furo, maior a pressão interna da fábrica, fazendo com que o produto fique mais tempo a uma alta pressão que pode chegar a até 30 atm ou BAR, e a uma temperatura de até 120ºC. Essas duas constantes associadas a velocidade da rosca mais a umidade são capazes de fazer “uma pré digestão” dos ingredientes, de forma que quando o animal consome a ração, ele receba somente nutrientes de fácil absorção pelo corpo, por isso ele aumenta a digestibilidade.

Como é possível observar apesar das palavras serem parecidas as funções mudam bastante de uma para outra fica fácil se confundir em uma leitura rápida ou que não se está prestando atenção.

Atualmente alta digestibilidade somente em produtos extrusados ou em peletizados que passaram pelo expansor e pelo pré condicionador antes de ser compactado pelos rolos da matriz.

Espero que vocês tenham gostado desse nosso primeiro tele transporte, o intuito é toda semana fazer 1 um vídeo abordando temas importantes e conceitos que facilitam a vida de operadores e gestores de fábrica de ração.

Um Forte Abraço e até a próxima!

Eng. Rafael Resende Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *